Outubro – Silêncio | Simplicidade | Provações

01 – Reze, reze muito. Estes dias são de recolhimento: preparemo-nos em silêncio, esperando o sinal de Deus. (L 25).

02 – SANTOS ANJOS DA GUARDA.
Cada hora que soa é um passo a menos que temos de dar. Coragem! O nosso bom anjo será o nosso guia. (L 42).

03 – No silêncio a alma se prepara para lançar aquele (o) grito altíssimo que deverá ecoar por todo o horizonte católico. (L 23).

04 – No segredo se forma o herói, tal como desabrocha a semente na natureza. (L 23).

05 – No silêncio se cristalizam as grandes personalidades, assim como na concha humilde endurece a gota de orvalho que, transformada em pedra preciosa, ornará a fronte das filhas do rei. (L 23).

06 – Sede monges em casa e apóstolos fora de casa. (M 9/94/19).

07 – A simplicidade é uma virtude que, mais do que qualquer outra, nos aproxima, da perfeição do nosso Pai Celeste. (L 76).

08 – A ação do Espírito Santo em nossas almas é, basicamente, um trabalho de simplificação. (L 76).

09 – A maior parte das nossas ações perde o seu fruto por causa da complicação dos elementos que concorrem para a sua formação. (L 76).

10 – As obras dos Santos, que os séculos têm reverenciado, foram sempre marcadas pelo selo da simplicidade, que, afinal, outra coisa não é senão uma fé inabalável na Providência, fé única e despojada de qualquer preocupação humana. (L 76).

11 – A questão do “dinheiro” já nos deteve por demais inclinados para o baixo e é tempo de proclamar o “sursum corda”: corações ao alto. (L 158).

12 – Vamos em frente dia após dia, como Deus quer, e “Deo Gratias”: demos graças a Deus por tudo o que ele determinar. (S 286).

13 – E depois, depois, depois… aquilo que a Providência quiser! Porque com estes benditos “depois” acabamos por fazer violência às leis providenciais que governam os acontecimentos; e isso não fica bem, mesmo que seja por passatempo. (L 53).

14 – Sabemos por fé que tudo é providencial nesta terra, e essa fé é a vitória que vence o mundo. (L 64).

15 – Sofrer ou morrer! Após ter experimentado quanto fosse sublime sofrer com Jesus, Santa Teresa descobriu que morrer era infinitamente mais nobre, porque sinal de união eterna com o Esposo Divino. (L 232).

16 – Tudo se vai desenvolvendo pela corrente do tempo, e o tempo está nas mãos de Deus. (L 25).

17 – Sejamos gratos ao Deus bendito que, pela sua misericórdia, sempre nos oferece novos meios de salvação. (L 64).

18 – Deus cuida de nós com o mais terno carinho. (S 212).

19 – Suportemos os males com resignação, e contentemo-nos com aquela pequena parcela de bem que Deus nos deixa nestes tempos difíceis. (L 72).

20 – Benditas sejam até as trevas quando as adensa a mão do Senhor. Caminharemos cheios de confiança no escuro, pensando que os anjos cuidam de nós para não deixar que tropecemos. (L 272).

21 – Caminharemos a passinhos curtos, se não pudermos correr e nem andar ao passo, no entanto ficaremos de pé. Mas quando chegará a luz? Eis o segredo de Deus. (L 272).

22 – Podemos suspirar pela luz como suspiramos pela aurora matinal, mas tal como esta, não podemos adiantá-la de um instante sequer. Devemos todavia ficar de olhos abertos para o Oriente, exatamente para o ponto onde a luz do dia costuma aparecer; que não nos aconteça de confundi-la com a aurora boreal, que engana o peregrino. (L 272).

23 – Nós não conseguiremos conhecer em seus segredos a grande economia da Providência, mas sabemos, com efeito, que a fé realiza todos os dias grandes milagres nas almas. (L 19).

24 – Nós não podemos praticar um só ato de virtude que não seja obra do Espírito Santo. (S 345).

25 – Quem é que põe em nosso coração o gosto que sentimos pela conquista da virtude, o desejo de agradar a Deus com a mortificação dos nossos sentidos? É justamente aquilo que chamamos de Espírito bom, o qual trabalha e atua sem parar em nossas almas. (S 345).

26 – É algo espantoso o pensamento dessa corrente circular de graças, onde cada anel é uma força da qual depende a nossa salvação eterna. (L 52).

27 – Portanto, cada momento que passa é uma nova oportunidade que devemos aproveitar e da qual, um dia, deveremos prestar contas a Deus; por isso, cada minuto que vai sendo marcado no relógio pode marcar no tempo o instante solene do qual depende o nosso destino eterno. ( L 52).

28 – Deus nos dá sempre a graça para vencer; mas Ele nada pode fazer se nós não o ajudamos com a boa vontade. (S 235).

29 – Quando tiveres menos vontade de pronunciar palavra, então é tempo de falar. (S 197).

30 – Esforça-te para ser o que não és e para não ser o que és. (S 192)

.

31 – Peçamos a Deus que nos torne santos, logo santos, com aquela santidade que Ele quer. (S 172).