Carismas

CARISMA DA CONGREGAÇÃO DOPS OBLATOS DE S. JOSÉ FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA

 

1) O PATRIMÔNIO DA CONGREGAÇÃO

O Carisma dos Oblatos de S. José é dom do ES ( como todos os carismas na Igreja)

São José Marello teve um seu carisma pessoal de fundador: seu sonho, seu modo de ver e realizar o que estava no seu coração, sua caminhada pessoal com Deus.. É o Carisma do Fundador.

No ato da fundação o Marello se abandonou em Deus e deixou Deus agir conforme a realidade, as circunstâncias..Quem sabe não conseguiu realizar plenamente o seu sonho, pois Deus o encaminhou por uma estrada diferente. É o carisma fundacional

As primeiras gerações ( mais ou menos até 1921 quando Pe. Cortona governou a Congregação), viveram, interpretaram o carisma.É o carisma da primeira geração oblata.

A união entre: carisma do Fundador, carisma Fundacional e carisma da primeira geração é o que chamamos de PATRIMÔNIO DA CONGREGAÇÃO

 

2) OS CARISMAs da VC

Todos os carismas da VC surgidos nos séculos tem:

  1. a) espiritualidade
  2. b) apostolicidade.

Ambos devem ter um fundamento Bíblico, pois um carisma é sempre um reviver um aspecto da vida e do amor de Cristo, um faceta do seu coração.Todos os carismas juntos na Igreja, poderiam como que representar o coração de Jesus, que cura os doentes, ama os pobres, que tem compaixão...

 

3)FUNDAMENTOS BÍBLISOS DO CARISMA DOS OBLATOS DE S. JOSÉ

3.1)Espiritualidade: Col 3,1-3

“Portanto, se ressuscitastes com Cristo,procurai as coisas do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus; 2 aspirai às coisas do alto, não às terrena.3 POIS MORRESTES, E A VOSSA VIDA ESTÁ ESCONDIDA EM CRISTO, COM DEUS”

3.1) O versículo lembra Sl 110,1 num contexto messiânico e é retomado em MT 22,41-45

3.3)Podemos encontrar um ressonância deste versículo em Rm 6,3

O texto é: pascal/ batismal. É usado na liturgia no dia de Páscoa

 

Aprofundando

O cristão (ã) é morto (a) um ressuscitado (a) com JC e tem a vida nova em si (Rm 6), e portanto não pode se dar ao luxo de perder tempo, apegando-se às coisas da terra;seria como um voltar à escravidão. Agora a vida do cristão (ã) deve ser só “ buscar as coisas do alto” “ aspirar às coisas do alto” pois já estamos mortos ( para o pecado: Rom 6,2)) e vivemos “ ESCONDIDOS EM CRISTO”. Esta expressão: “ escondidos em Cristo” é: no coração de Cristo;na intimidade de Cristo; amados por Cristo; entregues a Cristo; abandonados em Cristo.É um viver em Cristo, vivência profunda da graça santificante, busca da santidade. É experiência mística

José viveu exatamente isto nos anos de Nazaré:escondido em Cristo seu filho e ao mesmo tempo seu Deus.. Em Cristo tinha tudo, ainda mais com Maria. Eis porque viveu o silêncio, o abandono na Providência, a humildade... e foi o maior místico da história, depois de Maria

 

3.2)Apostolicidade; Filp 2,20-21

“Não tenho ninguém que se iguale a ele( Timóteo) em sua genuína preocupação por vós; pois todos procuram o próprio interesse, e não OS INTERESSES DE JESUS CRISTO”

2.20) Paulo está no cárcere, mas continua se preocupando da comunidade de Filipos e lhe envia Timóteo seu fiel colaborador que diz ter uma “ genuína preocupação por vós”

2.21) Paulo parece ter um desabafo, e da preocupação com a comunidade passa aos “interesses de Jesus Cristo”, algo mais abrangente e profundo. Mas Paulo está consciente que vai ser condenado à morte ( ver v 17) mas sua esperança é JC ( ver v 24)

 

Aprofundando

Timóteo é aqui colocado como exemplo de pastor que cuida dos interesses do rebanho; indiretamente Paulo se coloca na mesma dimensão.. São exemplos do Bom Pastor que cuida das ovelhas (Jo 10).O que surpreende (mas só a aparentemente) é a passagem que Paulo faz da preocupação com a comunidade de Filipos aos interesses de Jesus.Para ele os interesses da comunidade e de Cristo são a mesma coisas.( ou seja: trabalhar para Cristo e para Igreja é no fundo a mesma coisa)

O cristão (ã) que vive escondido (a) em Cristo ( carisma espiritual), agora pode cuidar dos interesses de Cristo , único amor de sua vida, que nada mais são do que os interesses da Igreja de Cristo.

José “fez”(Mt1,24) exatamente isto: cuidou de Jesus, o protegeu,o defendeu, lhe deu um nome e descendência davídica, lhe deu trabalho, família, cuidou dele menino, jovem.( Muitos textos do Marello falam isto)A família de Nazaré é de certa forma o início da Igreja, uma Igreja “ in nuce”.Por isto que S. José é justamente colocado como Padroeiro da Igreja Universal.

José Marello ficou fulgurado por esta figura de José disponível e aberto a “ tudo” conforme a Providência e quis que seus filhos cuidassem como José dos interesses de Jesus, ou seja da Igreja, conforme lemos nos seus escritos e recolhemos nas Constituições 1/2/3. Hoje cabe a nós, na leitura dos sinais dos tempos, continuar esta aventura.

(Pe. Mario Guinzoni OSJ)

 


 

 

Leia também:

O CARISMA MINISTERIAL DOS OBLATOS DE SÃO JOSÉ