Centro de Espiritualidade Josefino Marelliana. Visão histórica.

O Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliana na Província Nossa Senhora do Rocio

CEJM. Publicações impressas.

1-Visão Histórica

  1. “Para o arqueiro é o foco da visão e a intenção do pensamento que acelera a flecha ao alvo”. Podemos considerar que em 1985 com o Plano Trienal elaborado pelo Delegado Pe. Mário Tésio e os Conselheiros Pe. José Antonio Bertolin e Pe. Valdir Panont para o Triênio 1985-1987, a então Delegação do Brasil armava-se como uma arqueira com muitas flechas encontrando um foco de visão e tendo objetivos para atingir vários alvos dentre, os quais o embrião do Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliana de Apucarana.
  2. Nesta ocasião o projeto trienal da Delegação abriu-se para a busca da organização de algumas atividades que iríamos denominar de “Pastorais Josefinas Específicas”, condensadas nas pastorais: Juvenil, Vocacional, Josefina e da Comunicação. Para dar o início de caminhada destas pastorais como uma organização de toda a Delegação foram designados os padres João Erittu para a Pastoral Juvenil, o Pe. Mário Guinzoni para a Pastoral Vocacional, o Pe. José Antonio Bertolin para a Pastoral Josefina e para a Pastoral daComunicação os três responsáveis das respectivas pastorais e em seguida o Pe. Mauro Negro.
  3. Criadas estas “Pastorais Josefinas Especificas” com seus coordenadores em nível de Delegação caminhou-se aos poucos para o delineamento das mesmas. Dessa maneira, o trabalho vocacional continuará dando os seus resultados positivos; o  trabalho com a Juventude a tornar-se mais orgânico dentro da Delegação e não apenas iniciativas isoladas dos confrades; a espiritualidade Josefina passará a ser assimilada, sobretudo através da criação  (em 1986) das “Fraternidades Josefinas”, ou seja, grupos de leigos que passarão a receber subsídios que passou a ser denominado de Semente Josefina, para viver a espiritualidade josefina e marelliana. A denominação desse grupo receberá em 1992, com a realização do I. Congresso Internacional dos Leigos Josefinos, o nome definitivo de “Fraternidades de São José”. Da mesma forma surgirá como atividade de divulgação de São José e do Marello uma revista bem elaborada denominada de “Horizonte Josefino”, a qual terá a duração de aproximadamente três anos e depois por falta de alguns meios, sobretudo econômicos, deixará de ser editada.
  4. Portanto, em 1985 a flecha foi lançada e esta iria percorrer um longo caminho, às vezes mais veloz quanto havia o favorecimento de bons ventos, às vezes mais lenta e até perdendo um pouco o seu rumo quando os ventos não eram muito favoráveis para o seu percurso, mas em todos os casos o foco da visão e a intenção da arqueira (a Delegação), ia possibilitando que ela chegasse ao seu alvo, alvo este que hoje, à distância do tempo podemos distingui-lo melhor.
  5. Em 1987 deu-se um passo de qualidade rumo a consolidação da participação mais concreta e visível dos leigos josefinos em nossa família Josefino-Marelliana com a realização do 1º  Encontro dos Leigos Josefinos em Apucarana, por ocasião do dia primeiro de maio. Este se colocava então como um bonito fruto dentre outros recolhido no início desta caminhada. Na ocasião foi decidido realizá-lo todos os anos em Apucarana, pois se constatava que Apucarana além da infraestrutura, possuía também a Paróquia dedicada a São José e que um dia deveria se tornar Santuário São José.
  6. Para a organização deste encontro ficou estabelecido que todos os anos no dia 1º de maio, dia de São José Trabalhador e feriado nacional, os leigos Josefinos dos campos de atividades apostólicas dos Oblatos se reuniriam em Apucarana para uma celebração de cunho Josefino-Marelliana. No início o convite ficou mais voltado para os membros das “Fraternidades Josefinas”, pois eram eles que mais se encontravam imergidos na devoção a São José, mas com o tempo não ficou restrito a eles, mas aberto e organizado para todos os leigos: jovens, adultos, crianças, idosos.
  7. Paralelamente a este fato, no ano de 1987 se inicia a remodelação da igreja São José de Apucarana com o objetivo de preparar a instalação do Santuário Diocesano São José, e, consequentemente tornar Apucarana  um Centro de organização e de cultivo de espiritualidade Josefina e Marelliana.
  8. Este empreendimento envolveu de maneira particular a comunidade paroquial, inclusive alguns empresários da cidade e levou também a se vislumbrar o do desejo de implantação de um Centro de Espiritualidade Josefina nesta cidade.
  9. Neste mesmo ano de 1987, na Paróquia São José de Apucarana começou-se a organizar em nível Provincial (nesta altura não éramos mais Delegação, mas Província) outro encontro que desta vez catalisava as atenções das jovens; tratava-se dos Festivais de Música Mensagem que já existiam, todavia, desde 1983, localmente organizados pela Paróquia São José. Esta nova organização abriu os horizontes de Apucarana para a realidade de um Centro de Espiritualidade Josefina. A exemplo dos Encontros nacionais dos Leigos Josefinos, também os Festivais de Música Mensagem passaram a ser realizados todos os anos no mês de novembro, na oportunidade do feriado nacional da Proclamação da República.
  10. Este novo evento abriu a possibilidade de uma melhor organização da Pastoral Juvenil, pois os grupos de jovens de nossos campos de apostolado começaram a se conhecer, assim como a conhecer Apucarana como um ponto que começava a catalisar a presença e o compromisso deles uma vez por ano.
  11. A esta altura, com a abertura que estas Pastorais Josefinas começaram dar em suas organizações, pensou-se em fazer um passo que fosse para além e este desejo calhou com o desejo dos Provinciais de nossas Províncias da América Latina e Estados Unidos, os quais representando as Províncias dos Estados Unidos, México, Peru e a Delegação, Bolívia e do Brasil, reuniram-se em Curitiba em 1990 com o intuito de delinear uma linha de conjunto no trabalho com os leigos. Depois deste encontro de conhecimento da realidade e de análise e perspectivas, convencionou-se realizar um segundo encontro desta vez com alguns leigos representantes de cada Província / Delegação para estabelecer um programa a ser realizado num encontro representativo de leigos com suas  “respectivas pastorais” em nível de realidade Oblata. Este encontro preparativo foi realizado no Peru em 1991 e o Brasil foi representado pelo Provincial (Pe. Joãozinho) e três leigos brasileiros.
  12. Em 1992, como resultado dos dois encontros precedentes em nível internacional, realizou-se o 1º Congresso Interamericano Josefino dos Leigos com a participação de leigos e de religiosos das Províncias do Brasil, Estados Unidos, México, Peru e da Delegação da Bolívia. Este, com a duração de uma semana,  foi realizado em Londrina. Foi um acontecimento marcante em relação a unidade da Congregação presente nestes países da América e serviu para solidificar a unidade entre os leigos, sobretudo quanto a pastoral Juvenil e Josefina, tanto é verdade que  todos assumiram a caminhada da espiritualidade Josefina através da criação dos grupos que passaram a ser denominados de “Fraternidades de São José” e não mais “Fraternidades Josefinas” como denominamos entre nós. Além disso, passou-se a adotar para as Províncias “americanas” e a Delegação da Bolívia a “Semente Josefina”, as quais já eram utilizadas entre nós. Ficou estabelecida a responsabilidade de cada Província/Delegação de produzir a cada seis meses esse subsídio e a Delegação da Bolívia  recebeu essa incumbência nos seis primeiros meses. Infelizmente a experiência do encontro dos leigos “americanos” ainda dependia muito dos Provinciais e por isso não teve prosseguimento, pois quando se tratou de outra Província organizar o 2º Congresso, esta alegou que não tinha condições. Numa tentativa para recuperar este valor esquecido, a Província do Brasil organizará em 1998, outro Encontro dos Provinciais e Delegado das Américas, na cidade do México no qual ficou estabelecido outro encontro nos Estados Unidos no ano seguinte sob a responsabilidade de preparação da Província do México, contudo,  meses depois a referida Província alegou que não tinha condições e o projeto morreu. É de se notar que o 1º Congresso de Leigos Josefinos realizados no Brasil na busca de uma linha de ação Josefina e Marelliana com os leigos entre as Províncias/delegação americanas foi o embrião para os futuros Congressos Internacional dos Leigos Josefinos realizados pela Congregação nos seguintes anos: I Congresso Internacional dos Leigos Josefinos: Asti (Itália) 2001; II Congresso Internacional dos Leigos Josefinos: Barletta (Itália) 2005; III Congresso Internacional dos Leigos Josefinos: Tagaytay (Filipinas) 2009; IV Congresso Internacional dos Leigos Josefinos: será realizado Apucarana (Brasil) 2016.
  13. Em 1995 as Pastorais Josefinas Específicas recebem um novo reforço e são ao mesmo tempo ampliadas com a  criação das Pastorais Missionárias e Paroquial – Catequética.  Neste ponto o que se tem para melhor realçar foi a organização de nossas pastorais em nível de Setores. A Pastoral Missionária adquiriu uma fisionomia abrindo a experiência missionária para os nossos leigos em alguns de nossos campos de trabalho, sobretudo em nossa Frente Missionária no Mato Grosso. Da mesma forma a Pastoral Paroquial-Catequética apontou mais para o  delineamento de uma “formação Josefina”  para os catequistas leigos com encontros de formação e gincanas em nível de Província. Quanto a Pastoral Paroquial resumiu-se a alguns encontros  dos Párocos e  Vigários Paroquiais.
  14. Ainda neste mesmo ano (1995) instituiu-se em âmbito de Província as Assembléias das Pastorais Josefinas Específicas, realizadas sempre no final de cada não. Desta participavam  os religiosos Coordenadores das referidas pastorais, assim como os representantes de cada uma delas e também participantes das mesmas. A finalidade destas Assembléias era para analisar o programa realizado durante o ano em relação a cada uma destas e projetar em conjunto um calendário para o ano seguinte. Com uma boa participação destas, com média de participantes na casa dos 100 a 120 pessoas, estas funcionaram regularmente até o ano 2000.
  15. Em 1998 um bom número leigos, especialmente de jovens, entrou em ação para a realização, pela primeira vez na Congregação, do 1º  Encontro Internacional da Juventude Oblata. Deste encontro realizado em janeiro do referido ano, participaram todas as nossas Províncias e Delegações com exceção de uma Província dos Estados Unidos. Estas se fizeram representar por seus religiosos por seus jovens. Esse Encontro ficou denominado de 1º  Encontro Internacional da Pastoral Juvenil Oblata – Novos Caminhos, reunindo durante por quatro dias aproximadamente 160 pessoas em cada dia. O Brasil como anfitrião preparou tudo e deste saiu um documento denominado “Novos Caminhos, Os Oblatos e a Juventude”. Infelizmente também este encontro de Congregação em nível Internacional não surtiu os frutos que se esperava, contudo para nós ele fez parte desta flecha que caminhava para o seu alvo.
  16. É preciso ter presente que a realização do 1º Encontro Internacional da Juventude Oblata realizada no Brasil, também foi o embrião para os futuros Congressos Internacionais da Juventude Oblata nos seguintes anos: 2º Congresso internacional da juventude Oblata: Asti 2005; 3º Congresso internacional da juventude Oblata: Tepalcapa (México) 2005, 4º Congresso internacional da juventude em Manila- Filipinas.
  17. O ano de 2000 assinalou outro ponto importante da paisagem deste caminho percorrido, pois, atendendo ao pedido de uma das Deliberações do Capítulo Geral da Congregação realizado no mesmo ano, instituiu-se na Província o grupo dos Agregados Josefinos. Um trabalho mais lento e mais particularizado, pois tratava de oferecer um caminho especial a alguns leigos e conseqüentemente de formá-los na Espiritualidade Josefino-Marelliana de uma maneira mais aprofundada e comprometida com um tipo de consagração de vida leiga.
  18. Ainda no ano 2000 esta nossa flecha atinge um dos objetivos acalentado há anos com a Criação do Santuário São José de Apucarana, através do decreto do bispo diocesano. Para a alegria de todos nós religiosos e para os nossos leigos Josefinos, esta meta estava alcançada.
  19. O ano de 2001 não só foi marcante pela passagem do novo milênio com a abertura do século XXI, mas também para nós ele foi muito significativo com a canonização do nosso Santo Fundador, José Marello. Em nível de Província tivemos a chegada final de nossa flecha atingindo outro objetivo com a Inauguração oficial do nosso Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliana.
  20. É de ressalvar-se que o Centro de Espiritualidade que ao longo dos anos vinha sendo concebido como “Centro de Espiritualidade Josefina”, passa a ser denominado a partir de agora de “Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliana” e isso pelo fato de que a Canonização do Marello dava-nos a certeza por parte da Igreja, com o selo de sua Canonização, de que também nós como família Josefino-Marelliana sentíamos na obrigação de conjuntamente com a espiritualidade Josefina, da qual São José Marello bebeu,  apresentar através deste Centro também as riquezas da espiritualidade Marelliana.
  21. Ainda no ano de 2001, realizou-se em Asti por ocasião da Canonização do Fundador o 1º Encontro Internacional dos Leigos Josefinos, não na linha de atuação das Pastorais Josefinas Específicas como realizamos no Brasil com as Províncias/Delegações Americanas, mas numa abertura geral para toda a Congregação contemplando todas as suas Províncias e Delegações. Deste Encontro participaram dois leigos e um religioso como nossos representantes, onde os quais tiveram a possibilidade de apresentar o trabalho e a caminhada de nossa Província no campo do cultivo dos leigos Josefinos e o início do trabalho com os Agregados Josefinos.
  22. O ano de 2001 foi também marcado pela iniciativa de elaboração dos Estatutos para cada uma de nossas Pastorais Josefinas Específicas e assim surgem os Estatutos do Santuário São José, para  o Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliana, para a Pastoral Josefino-Marelliana, para as Fraternidades de São José, para a Pastoral Missionária, para a Pastoral Juvenil, para a Pastoral Vocacional e para os Agregados. Tudo isso indica que os objetivos ao serem atingidos geravam suas consequências práticas.
  23.  A partir do ano de 2003, um religioso Oblato foi semi-liberado para o Centro de Espiritualidade e o mesmo colocava-se desta forma em sua organização, como um ponto de convergência e de difusão, assim como um laboratório de práxis, de alguns aspectos importantes e essenciais de nossa vida Oblata, objetivando através de um processo de sinergia, colocar em luz e ação o Santuário São José e as Pastorais Josefinas Específicas.
  24.  No mês de outubro de 2003, o Cejm, ainda dando seus primeiros passos na organização, realizou A 1º Semana Teológica e Pastoral de São José, em Apucarana, com a participação de 196 pessoas, tendo como destaque a presença do josefólogo Pe. Tarcísio Stramare.
  25. No ano de 2004, o Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliano começou a organizar suas estruturas físicas, inaugurado em 2001, e que passou a contar com um espaço físico cedido pelo Colégio São José, mas que era ocupado pela Faculdade Facnopar de Apucarana. Portanto, a primeira providência foi reaver o espaço e depois adequá-lo para o funcionamento do Centro. Procedeu-se, portanto, uma reforma completa a qual se processou aos poucos e ao longo de vários anos. Reforma dos banheiros, reforma e adequações das salas com colocações de forros, mudança da iluminação, colocação de pisos, pinturas, readequação do pátio externo. Terminada a fase de reformas e readequações, procedeu-se a etapa de aquisição de equipamentos, tais como mesas, cadeiras, poltronas, fogões, freezers, geladeira, equipamento completo para cozinha semi-industrial, som, ar condicionado, etc.
  26. No mês de outubro de 2006, a Província por meio do Cejm realizou o 1º Congresso dos Leigos Josefinos Marellianos em Curitiba, com a presença de 140. Tratava-se de um empenho para toda a Província, juntamente com o apoio que vinha dando para a realização do Encontro dos Leigos Josefinos todos os anos no dia Primeiro de maio, com a festa de São José, a palestras aos participantes e a condução das Assembleias das Pastorais Josefinas.
  27. Outro passo na organização e funcionamento do Cejm foi a instituição do Kairós no ano de 2007, com objetivo de atender pessoas necessitadas de apoio psicológico, espiritual, orientação, aconselhamento, incentivo para a vida. Constituído por um grupo de leigos voluntários preparados adequadamente e servindo-se de uma estrutura de 4 salas esquipadas com poltronas vibratórias, som, recepção, o Kairós passou a acolher a média de 300 a 350 pessoas por ano e realizou um grande trabalho para a vida dessas pessoas, sendo uma bênção em suas vidas.
  28. No ano de 2006, o Cejm passou a editar a revista Estudos Josefinos, um instrumento de divulgação da teologia e da espiritualidade de São José. Com a tiragem de 1200 cópias a cada trimestre, quase todas distribuídas para várias partes do Brasil pelo correio, tornou-se assim o único instrumento de divulgação de São José em língua portuguesa no Brasil. Paralelamente o Cejm continuou produzindo e distribuindo mensalmente, por meio eletrônico, aos religiosos Oblatos e leigos a Semente Josefina, iniciada antes do ano de 1986. Na mesma cadência, o responsável pelo Cejm com alguns leigos se disponibilizou a passar por todas as paróquias dos Oblatos para um dia de formação sobre São José e o Marello, assim como de divulgação do Cejm; por razões da pouca incidência desta dimensão do carisma josefino nas comunidades, depois de um tempo a experiência se declinou.
  29. Com o início do ano 2008, o Cejm organizou um meio para arrecadar fundos para suas despesas, denominando-o Restaurante São José e que depois, por motivos legais se denominou “FB Almeida”. Apoiado por um casal leigo e por uma equipe de senhoras passou-se a produzir almoços, jantares, cafés, etc, inclusive por meio de licitações, o que veio contribuir totalmente para a realização de todos os investimentos (reformas, equipamentos, materiais gráficos, etc). Paralelamente com o trabalho de cozinha, continuou participando todos os anos da Festoque de Apucarana, uma feira de ponta de estoque de várias lojas, com o restaurante São José.
  30. No ano 2012, o Cejm elaborou o primeiro projeto de Iconografia Josefina numa sala disponibilizando 1600 ícones de São José, tonando-se um atrativo para a cidade pela sua peculiaridade e novidade.
  31. Ainda no ano de 2012, com o apoio da Província, aproveitando para resolver as exigências do Corpo de Bombeiros quanto ao projeto de Prevenção de incêndio, elevador, etc, foram construídas algumas salas as quais foram utilizados para a ampliação da Iconografia Josefina e instalação da Iconografia Mariana com 4780 ícones de Maria e da Iconografia Marelliana com 180 Ícones. Com isso, o Cejm passou a ter como meio de divulgação de São José, Nossa Senhora e São José Marello, 6.000 ícones, sendo objeto de atenção de muitas pessoas e passando a fazer parte do circuito do turismo religioso de Apucarana.
  32. Em outubro de 2013, foi criado em Tuxcueca-México, o Centro Interamericano Josefino-Marelliano com o objetivo de comungar entre as Províncias/Delegação americanas (Brasil, Peru, Bolívia, México e Estados Unidos), estudos e experiências na dimensão josefina e marelliana. Depois de um encontro no Peru e outro no México, os provinciais/delegados americanos assumiram essa caminhada em conjunto e estabeleceram o Cejm de Apucarana como sede e responsável dessa organização. Este, assumiu o compromisso de dinamizar esta caminhada “americana” e oferecer os subsídios necessários para esta que no início foi a oferta das Sementes Josefinas em língua inglesa e espanhola e os textos dos “santinhos” do Servo de Deus Pe. José Calvi, também em inglês e espanhol, assim como de coletar todos os livros e subsídios na linha josefina e marelliana presentes nas Províncias/Delegação americanas.
  33. No início de 2013, foi criada na Província a Associação São José Guarda do Redentor, uma iniciativa que brotou do pedido de sacerdotes e leigos participantes das Semanas Pastoral Teológicas de São José (que a partir de 2014 passaram a ser denominadas de Congresso Teológico e Pastoral de São José), os quais pediram que a Congregação criasse um organismo da vivência e divulgação de São José que eles também pudessem participar. Esta recebeu como sede e como meio para o seu funcionamento o Cejm.

Avanços e Recuos

35- Pela descrição do caminho percorrido ao longo destes anos, podemos perceber que houve um empenho na Província para a visualização da identidade Josefino-Marelliana e deste o Cejm tomou parte. Por um lado toda a caminhada foi o esforço a resposta ao exercício do carisma da Congregação dos Oblatos de São José, por outro, foi um despertar da Província em relação aos leigos Josefinos.

36- Pode-se dizer que a caminhada desses anos serviu para dar-nos uma identificação particular, ou em outras palavras, visou a responder ao apelo de Vita Consecrata, ou seja, de empenhar-se na “fidelidade criativa” diante da  riqueza que o carisma Oblato oferece.

37- No empenho organizacional, sobretudo de ideias e de projetos, alguns confrades participaram de maneira mais ativa, assim como também alguns de nossos leigos fizeram parte da caminhada desde o início do projeto das “Pastorais Josefinas Específicas”.

38- Este caminho percorrido, embora não realizado conforme o desejado, e cheio de altos e baixos, nos coloca hoje diante do esforço em dar prosseguimento a este aspecto dentro de nossa Província.

39- Nesta visão estão também presentes os nossos recuos. Salienta-se a falta de continuidade nos programas estabelecidos, a falta de confrades mais disponibilizados para a coordenação das respectivas pastorais josefinas, os desafios da implantação das pastorais josefinas em nossos campos de apostolado… Diante deste panorama pode-se dizer que todas as pastorais josefinas tiveram momentos de significância e  momentos de retrocesso. Algumas persistiram e continuam atuantes como no caso da Pastoral Juvenil, Missionária e Vocacional.

Perspectivas

40- Se caminhamos até aqui é óbvio que precisamos prosseguir a caminhada sempre com mais motivações e empenhos nos resultados, por isso devemos olhar para o futuro com otimismo e esperança.

41- Acreditamos que todo o percurso percorrido com as experiências vividas e somadas nos dá uma plataforma bastante consistente para perseguirmos mais resultados positivos. Existem muitas coisas criadas durante todos esses anos e que nem sempre funcionaram da melhor maneira, certamente devido aos limites de falta de estruturas, de pessoal, de motivação e até de conscientização das necessidades.

As perspectivas se apresentam diante das exigências que a caminhada percorrida construiu e precisam ser levadas para frente. Na atual situação da caminhada do Cejm, a Província do Brasil não poderá mais recuar desse projeto, pois os Oblatos de São José têm uma presença e um compromisso com a Igreja do Brasil seja na vanguarda da divulgação da teologia  e da espiritualidade josefina (produz materiais, Congressos de São José, Associação de São José…), seja no âmbito da Congregação, especificamente com as Províncias e Delegação americanas (Centro Interamericano-Josefino). Hoje o Cejm está cada vez mais conhecido no Brasil e tornando-se uma referência para a Igreja na Teologia e Espiritualidade Josefina.

II O Centro de Espiritualidade Josefino-Marelliana: Como foi estruturado para funcionar

  1. Introdução
  • Os nossos Regulamentos pedem que em cada Província haja um empenho com o cultivo da espiritualidade e dos estudos josefinos e que consequentemente que seja constituído um Centro de Espiritualidade Josefina (C. 75; RG 41; RP 48-49) com o mesmo objetivo. Há tempo a nossa Província vem acalentando essa exigência e depois de anos, pode se dizer que esta já está concretizada.
  • Para o funcionamento do Cejm foram elaboradas linhas gerais por meio de um Estatuto e na ideia inicial este estava ligado aos Estatutos das respectivas Pastorais Josefinas Específicas, as vertentes do carisma Oblato: espiritualidade Josefina (Pastoral Josefina), formação da juventude (Pastoral Juvenil) e missionariedade (Pastoral Missionária) e também a dimensão social que sempre esteve presente desde o início do Congregação. Somados a estas vertentes foram reunidos outros empenhos que fazem parte do exercício do nosso ser Oblato na Congregação e que estão bem explícitos em nossas Constituições e Regulamentos, a saber: a promoção vocacional (pastoral vocacional), o laicato (Voluntariado e Agregados) e também com um matiz um pouco diferenciado, alinhando-se com a pastoral juvenil, a pastoral educional compreendendo as crianças, os adolescentes e os jovens de nossas escolas (pastoral educacional). Esclarece-se que esta ideia original do Cejm ligado às demais pastorais denominadas de Pastorais Josefinas Específicas conheceu ao longo dos anos correções, como atualmente uma parte desse projeto é absorvido pelo Centro Juvenil Vocacional de Londrina e outra parte, a Pastoral educacional em Curitiba e a Pastoral Missionária mais ligada ao encarregado.
  • Portanto, o Cejm tinha um objetivo mais amplo do que apenas ser um centro de convergência e de irradiação da espiritualidade Josefina e de estudos Josefológicos, também se este devia ser o núcleo e o fulcro dessa identidade. Por isso, o Cejm foi concebido também como “marelliano“, o que implicava não apenas em ter como referências o Marello, mas também a Congregação dos Oblatos de São José com as suas características implícitas no exercício de sua identidade. Em vista disso foram confeccionados não apenas o Estatuto do Cejm, mas també os das referidas Pastorais  Josefinas Específicas (pastoral josefina, juvenil, missionária, vocacional, educacional e para os leigos e agregados), como também o Diretório do Santuário São José de Apucarana. Todos estes nas suas próprias especificidades visavam estar afinados com o Estatuto do Cejm.
  • Em vista da identidade do Cejm em consonância com os respectivos Estatutos das Pastorais Josefinas Específicas estabelecia-se que o Cejm é um Centro de convergência e de irradiação da espiritualidade Josefina e dos estudos Josefológicos, assim como Centro de conhecimento e de valorização de São José Marello e de apoio para as pastorais josefinas específicas.

a). Centro de convergência e irradiação da espiritualidade Josefina e de estudos josefológicos.

b). Centro de conhecimento e valorização de São José Marello e de apoio para as pastorais josefinas específicas.

  • O Cejm se propõe ser um ponto de convergência e de difusão do conhecimento da pessoa e da espiritualidade Josefina para a nossa Província (religiosos e leigos) e para o Brasil (religiosos, sacerdotes, congregações, associações, leigos…).
  • Produzir reflexões e subsídios variados na linha josefológica e divulgar tudo o que diz respeito ao Guarda do Redentor com os meios de que dispõe (boletins, livros, Internet, cursos, encontros…).
  • Manter ligação com os outros Centros de estudos Josefinos, sobretudo com o da nossa Congregação (Movimento Giuseppino), a fim de receber e dar contribuições neste campo. Permanece aberto a todos os que desejam contribuir para o engrandecimento do conhecimento e do amor a São José.
  • Esforçar-se para responder a um vácuo sobre o conhecimento de São José no Brasil e que nós como “Josefinos” e levados pelas exigências do nosso carisma, devemos preenchê-lo.
  • Sendo que a dimensão Josefina e Josefológica de distinguem, o Cejm se empenha em responder às inspirações do nosso Fundador procurando levar ao conhecimento de todos que se interessarem à pessoa de São José e a riqueza de sua espiritualidade;
  • Constitui-se como um ponto de irradiação de estudos, de pesquisas e de reflexões sobre a teologia Josefina, aprofundando e refletindo sobre a pessoa de São José e o seu lugar no plano de Deus e dentro da Igreja;
  • Oferece a possibilidade aos religiosos (as), sacerdotes e leigos de conhecer e aprofundar as riquezas da Teologia Josefina;
  • Tornar um ponto de referência para o Brasil e uma ajuda concreta para a Igreja do Brasil;
  • Oferecer possibilidades para o fortalecimento do nosso aspecto “Josefino” para toda a nossa Congregação.

III. O que é ainda necessário  ser  concretizado no CEJM

  • Buscar de uma fonte contínua de autossustentação,
  • Criação de um bazar-livraria (real e virtual) de objetos religiosos e outros subsídios inerentes a performance do Cejm,
  • Tornar mais conhecido o Cejm com divulgações,
  • Tornar conhecida a Associação São José Guarda do Redentor,
  • Organizar a secretaria,
  • Criar mais subsídios nas vertentes Josefológica e Marelliana,
  • Enriquecer mais a biblioteca,
  • Viabilizar melhores mecanismos para uma sinergia e interação entre o Cejm e o Santuário São José,
  • Encontrar mecanismos para a sinergia do Cejm com Congregações josefinas,
  • Voltar às Assembleias das Pastorais josefinas,
  • Revitalizar, enriquecer e tornar conhecido os Blogs do Cejm,
  • Disponibilizar mais publicações na linha da espiritualidade Josefina e da Josefologia,
  • Estabelecer de manter relacionamentos com Centros Josefinos Internacionais,
  • Criar subsídios para a realização de ” Retiros Josefinos “,
  • Marcar encontros com os leigos das paróquias, colégios e seminários, para orientar, incentivar e apoiar o ressurgimento e o fortalecimento das Fraternidades de São José e da identidade e função dos Leigos Josefinos na Província,
  • Tornar conhecidos os Estatuto do Cejm e o das Fraternidades de São José e dos leigos josefinos,
  • Criar mecanismos para o conhecimento e valorização das Iconografias josefina, mariana e marelliana.

IV. Realizações do CEJM com atividades entre os anos 2004-2015

1-Realizações por meio de Estudos e atividades  Pastorais de 2004-2015

  • Visitas às nossas paróquias para divulgar São José, a espiritualidade josefina e o próprio Centro de Espiritualidade, depois, não havendo mais interesse das próprias paróquias o projeto foi abandonado (contudo, ficou aberto a quem solicitasse).
  • Produção (desde 1992) a Semente Josefina todo mês como um instrumento de alimentação seja da espiritualidade josefina que do conhecimento de São José para os nossos leigos.
  • Participação na Concentração dos leigos no dia Primeiro de maio em Apucarana com palestras e sua estrutura física, e quando havia a Assembleia das Pastorais Josefinas, com a organização e condução.
  • Tornou-se conhecido como órgão difusor da pessoa e espiritualidade de São José da Congregação dos Oblatos de São José.
  • Produção de uma relativa quantidade de subsídios na linha josefina.
  • Organização de uma expressiva biblioteca josefina já catalogada.
  • Realização de Cinco Semanas Teológico-Pastoral sobre São José com palestrantes de renome e boa participação de leigos, religiosos e sacerdotes.
  • Produção desde maio de 2006 Estudos Josefinos (sempre com 34 páginas) e disponibilizado trimestralmente para mais de mil assinantes em todo Brasil e com um custo relativamente razoável.
  • Fornecimento para várias pessoas que solicitam de diferentes partes do Brasil materiais sobre São José.
  • Manutenção desde o ano de 2007, o Projeto Kairós proporcionando um trabalho social semanal com mais de 300 atendimentos por ano.
  • Encontros periódicos de formação na linha do atendimento ao Kairós para os membros do mesmo.
  • Criação desde 2012 a exposição iconográfica sobre São José e a partir de 2014 também a mariana e josefina, perfazendo um total de 6.000 ícones os quais estão incluídos no projeto de turismo religioso de Apucarana.
  • Sede da Associação São José Guarda do Redentor, na qual se realizam as Assembleias das mesmas e partem os subsídios.
  • Sede do Centro Interamericano Josefino Marelliano, da qual partem as informações e subsídios para as províncias/delegação associadas.
  • Publicações mensais de artigos em “O Josefino”
  • Curso de Josefologia (mensal) para leigos no Santuário São José.
  • Criação de blogs josefino-marellianos.

2- Realizações com Reformas, Construções e Equipamentos

  • Readequação de todo pátio externo do Cejm
  • Construção de uma churrasqueira e espaço para bebidas
  • Compra de um forno industrial para a cozinha.
  • Compra de freezers para a cozinha.
  • Compra de geladeiras e bebedouros
  • Readequação de mais uma dispensa para a cozinha.
  • Compra de caixas de som, amplificador, microfones…
  • Reforma de equipamentos da cozinha do Cejm
  • Construção dos quartos masculinos e femininos
  • Reformas e adequações das estruturas físicas (portas, janelas, salas, paredes, instalações elétricas…),
  • Pintura geral (interna e externa) de todo o prédio, da capela e dos muros,
  • Aquisição de 20 beliches,
  • Compra de 40 colchões,
  • Compra de guarda-roupas para os quartos
  • Disponibilização por parte do Colégio São José de 200 poltronas universitárias,
  • Aquisição e colocação de cortinas em todas as janelas,
  • Aquisição de 200 cadeiras para o refeitório,
  • Aquisição de 40 mesas para o refeitório,
  • Aquisição de 200 pratos e talheres para cozinha,
  • Aquisição de 10 estantes para a biblioteca,
  • Reforma de móveis para a secretaria das salas,
  • Apoio logístico para grupos, pastorais,
  • Instalação do sistema de Internet (rede lógica),
  • Instalação do relógio de água e de esgoto,
  • Produções de Estudos Josefinos e outros subsídios,
  • Montagem das Salas para o Kairós com todos equipamentos,
  • Instalação de ventiladores nos quartos,
  • Colocação de Aparelhos de Ar Condicionado,
  • Criação de uma biblioteca com mais de 200 livros (quase todos sobre São José e São José Marello),
  • Criação de Blogs,
  • Construção de salas para exposição Iconográfica,
  • Montagem de toda estrutura (painéis, etc) para a Iconografia,
  • Organização, montagem de fotografias, quadros, etc para Iconografia,
  • Reforma e adequação do pátio esterno.
  • Realização de serviço de cozinha ( almoço, lanche, coffee break…) para arrecadação de fundos para manutenção das atividades do Cejm
  • Participação na Festoque todos os anos para arrecadação de fundos para o funcionamento do Cejm

IV. Publicações e Traduções Produzidas pela Província desde a Implantação das Pastorais Josefinas

Bertolin, José Antonio

 

São José Fiel Vocacionado 1984
Bertolin, José Antonio Novena de São José

 

1987
Bertolin, José Antonio Novena de São José

 

1990
Bertolin, José Antonio Sacerdote, um Instrumento de Cristo 1992
Bertolin, José Antonio Breve História da Congregação dos Oblatos de São José 1994
Bertolin, José Antonio São José Imagem Terrestre da Bondade de Deus 1994
Bertolin José Antonio – Organizador José Marello- (Vários) 1994
Bertolin, José Antonio Dom José Marello, uma Pérola de Bispo 1995
Bertolin, José Antonio Jesus o Infinito Presente na História dos Homens 1996
Bertolin, José Antonio A Palavra- Exegese e Comentário dentro do ano Litúrgico A 1996
Bertolin, José Antonio A Palavra- Exegese e Comentário dentro do ano Litúrgico B 1996
Bertolin, José Antonio A Palavra- Exegese e Comentário dentro do ano Litúrgico C 1996
Bertolin, José Antonio A Palavra- Exegese e Comentário dentro do ano Litúrgico/Santoral 1996
Bertolin, José Antonio Retrospectiva de 1995 da Província Nossa Senhora do Rocio 1996
Bertolin, José Antonio Aripuanã, Uma Missão Josefina Matogrosense 1997
Bertolin, José Antonio Objetivando uma Renovação 1998

 

Bertolin José Antonio – Organizador Reflexões sobre Alguns Aspectos de nossa Caminhada no Brasil (Vários) 1999
Bertolin, José Antonio Histórico das Cinco Décadas da Caminhada Formativa do Brasil 1999
Bertolin, José Antonio História das Nossas Obras e Paróquias 1999
Bertolin, José Antonio Dom José Marello  uma Pérola Escondida 2000
Bertolin, José Antonio José Exemplo de Amor e Crescimento 2000
Bertolin, José Antonio Dom Marello um Santo para ser Amado e Venerado 2000
Bertolin, José Antonio Dom Armando Círio, Missionário do Paraná 2001
Bertolin, José Antonio Encontro de Párocos e Vigários Paroquiais 2001
Bertolin, José Antonio Subsídios para divulgação da Canonização de Dom José Marelllo 2001
Bertolin, José Antonio Curso de Josefologia Via Internet 2003
Bertolin, José Antonio A Congregação dos Oblatos de São José no Brasil Volume I 2003
Bertolin, José Antonio A Congregação dos Oblatos de São José no Brasil Volume II 2003
Bertolin, José Antonio A Congregação dos Oblatos de São José no Brasil Volume III 2003
Bertolin, José Antonio A Congregação dos Oblatos de São José no Brasil Volume IV 2003
Bertolin, José Antonio Jesus um Deus oculto na Pele de um Carpinteiro 2003
Bertolin, José Antonio – Organizador I Semana Teológico- Pastoral sobre São José (Vários) 2003
Bertolin, José Antonio 2005  Padre José Calvi um Apóstolo entre os Tuberculosos 2005
Bertolin, José Antonio Estudos Josefinos (35 Números) 2007-2014
Bertolin, José Antonio Maria Fonte sempre Límpida  2008
Bertolin, José Antonio

(Organizador)

O Caminho Percorrido pela Congregação dos Oblatos de São José nos seus Primeiros 50 anos (vários) 2009
Bertolin, José Antonio São José Marello Focado em algumas Particularidades de sua Vida 2008
Bertolin, José Antonio 100 Questões de Josefologia  2010
Bertolin, José Antonio

(organizador)

Estudos Marelliano, coleção de artigos para o Ano Marelliano (Vários) 2010
Bertolin, José Antonio Jesus o Filho de Deus Perante o Povo Judeu 2010
Bertolin, José Antonio Lugares Santos

 

2010
Bertolin, José Antonio  

 

2010
Bertolin, José Antonio Breve História da Província Nossa Senhora do Rocio 2011
Bertolin José Antonio – Organizador José Marello- (Vários) 1998
Bertolin, José Antonio/Toschi Larry Husband Father Worker 2012
Dedino Eurico Cuidados dom a Vida 2000
Guinzoni Mário Todos Somos Chamados  1988
Guinzoni Mário Subsídios Para Semana Marelliana
Klein Fernando Uma Abordagem Histórica da Congregação dos Oblatos de São José – 1919- 2009  2009
Miglieta Guido Padre José Calvi, Servo de Deus e Missionário dos Oblatos de São José 2005
Miglieta Guido e Santiago Alberto (organizadores) José Marello, um Coração para os Jovens 2010
Negro Mauro

(organizador)

5º Congresso de São José  (Vários) 2014
Santiago Alberto Dom Marello, Eu o Conheci  1986
Santiago Alberto  Santiago Alberto  e Erittu Giovanni  José Marello, um Santo ara a Juventude  1993
Santiago Alberto e Bandinu Ciríaco Santiago Alberto/ Organizadores São José Marello, Cartas do Período da Juventude 1998
Santiago Alberto/Bandinu Ciríaco Santiago Alberto/ Organizadores São José Marello, Cartas do Período Sacerdotal 2005
São José Marello 1998
Vida de José Marello 2001
Bertolin, José Antonio Histórico dos nossos Seminários/ 1949-1999 1999
Angelo Rainero/

Tradução

O Caminho do amor Perfeito 2008