São José: um provedor e protetor

Na sociedade contemporânea que se vive hoje, os pais colocam ênfase em proporcionar uma vida materialmente boa para seus filhos e protegê-los de danos físicos. Isso tudo é muito bom, todavia eles protegem suas famílias de danos morais e espirituais?

Consideremos o exemplo de São José. Como carpinteiro, ele fez muito mais do que simplesmente prover materialmente para sua família. Embora as escrituras silenciem sobre os detalhes da permanência da sagrada família no Egito depois de fugir de Herodes, sabemos que o Egito na época tinha uma cultura pagã que aceitava a adoração de muitos deuses. Em tal ambiente, José certamente protegeu espiritualmente sua família, mantendo intacta a pureza de sua fé. Manter a oração e os costumes judaicos em casa deve ter sido uma prioridade para ele como marido e pai, durante o tempo de exílio.

Se olharmos para a realidade em que vivemos hoje, na verdade, é que assim como São José e sua família, também estamos vivendo em um ambiente que muitas vezes é hostil à nossa fé. A tendência materialista é tão forte que corrói a confiança na Divina Providência, colocando, desse modo, em maior enfase as mãos humanas, que são feitas para trabalhar mais do que a mão oculta e misteriosa de Deus, na mesma linha, a mente humana praticamente assumiu a modelagem dos eventos da vida em desrespeito ao desígnio Divino. O que dizer sobre a proteção que os pais dão aos familiares atualmente? Em muitos casos, a proteção é direcionada para o que é menos valioso – bens materiais sobre riquezas não materiais, conforto físico, egoismo sobre os outros. A pior manifestação dessa orientação pode ser o sacrifício da própria vida humana inestimável. Obviamente, os valores foram confundidos e a hierarquia de valores universalmente reconhecida não é observada adequadamente. Até certo ponto, até nós, religiosos, experimentamos isso.

José provou ser um provedor confiável para Jesus e Maria. Ele não tinha muito, mas sempre teve o necessário para a Sagrada Família, pois confiava infalivelmente na Divina Providência. Um protetor mais leal foi ele quando sua família teve que seguir em frente. Considere que ele teve que desarraigar sua família duas vezes: primeiro, quando fugia de Herodes, e novamente, quando retornou a Judá vários anos depois da morte de Herodes. Podemos imaginar como José foi uma rocha para Jesus e Maria durante aqueles tempos de mudanças imprevisíveis enquanto ele vivia sua fé assegurando seus tesouros que são os mesmos tesouros preciosos de Deus. Se aderirmos a Deus e estivermos bem ancorados na providência de Deus, descansaremos em segurança junto com nossas comunidades e famílias, independente de qualquer mudança em nossa vida.

Frei Ericson Kasilag Alfante, OSJ
Juniorista. Missionário Oblato filipino no Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *