A importância da vida de oração na família

A Igreja enxerga cada família como um Santuário Sagrado de Deus. Justamente por isso, o Concílio Vaticano II denominou a família como uma “Igreja doméstica”.

Ou seja, a família é a primeira Igreja que conhecemos, e não é possível ser Igreja sem a prática da oração.

É dentro de casa que a evangelização é iniciada, que a oração é motivada e a fé é fortalecida.

Sendo assim, é dentro do lar que devemos estimular a vivência da oração. São os pais os responsáveis por encorajar os filhos a acreditarem no amor, na misericórdia e na providência de Deus e a respeitar os Seus mandamentos.

Quando uma família se reúne na oração, elas se desligam dos seus problemas e se conectam com as coisas de Deus, com as bênçãos que o Senhor tem a lhes oferecer. A oração torna nosso Criador presente em nossos lares!

Unido na oração cada membro da família eleva a Deus suas súplicas, se arrepende de seus pecados, agradece pelas pequenas graças de cada dia e alcança a proteção Divina.

É na prática diária da oração que a família é amparada e fortalecida por Deus. As cruzes diárias se tornam mais fáceis de carregar e os problemas mais fáceis de solucionar, pois é o próprio Deus que dirige suas vidas.

“Tomai meu jugo sobre vós e recebei minha doutrina, porque eu sou manso e humilde de coração e achareis o repouso para as vossas almas. Porque meu jugo é suave e meu peso é leve” (Mt 11,29-30).

O Papa Francisco destacou em uma de suas homilias “que a verdadeira alegria que se experimenta na família não é algo superficial, não vem das coisas, das circunstâncias favoráveis”, mas da “presença de Deus”. E que é nesta alegria da presença de Deus que encontramos o “amor acolhedor, misericordioso, cheio de respeito por todos. Só Deus sabe criar harmonia a partir das diferenças”.

O Sumo Pontífice ainda apontou: “Se falta o amor de Deus, a família também perde a harmonia, prevalecem os individualismos, se apaga a alegria. Pelo contrário, a família que vive a alegria da fé, comunica-a espontaneamente, é sal da terra e luz do mundo, é fermento para toda a sociedade” (Homilia na Jornada da Família por ocasião do Ano da Fé, Vaticano, 27 de outubro de 2013).

É na oração praticada em família que os vínculos se fortalecem, que a empatia é praticada e a misericórdia é exercida.

Que tal, então, aproveitar esse período de Natal quando somos tocados de maneira especial para criar o hábito da oração na sua família? Não sabe por onde começar, ou o que rezar?

Veja algumas dicas de práticas espirituais para realizar em família!

Devoções marianas

A Virgem Maria, foi escolhida por Deus para gerar Seu Filho, nosso Redentor. E ao morrer na cruz, Jesus nos deu Maria por nossa Mãe quando disse a Ela “Mulher, eis aí o teu filho”, e ao Seu discípulo “eis aí a tua Mãe” (Jo.19, 26-27).

Quando rezamos a Maria, ela vem a nós como a mais terna Mãe, preocupada com seus filhos.

Façamos, portanto, dos nossos lares, um verdadeiro altar de devoção à Maria. Procure rezar em família o Terço Mariano ou a oração de consagração à Nossa Senhora, confiando aos cuidados dessa valorosa Mãe aqueles que te são caros.

A finalidade da devoção à Maria é nos aproximarmos ainda mais do seu Filho, Jesus Cristo.

Provavelmente você já ouviu isto alguma vez: “Pede à Mãe, que o Filho atende!”.

Oração do Terço de São José    

Recentemente o Papa Francisco anunciou para toda a Igreja um ano dedicado a São José. Aproveitemos, então, para viver este tempo na amizade deste valoroso homem, pai adotivo de Jesus.

Com humildade e muita confiança em Deus, São José procurou em tudo fazer a vontade do Senhor.

Na prática da oração na família tenhamos São José como modelo e peçamos sua intercessão para que cada um de nós saiba cooperar com os planos Divino. Que cada membro de nossa família saiba viver com radicalidade a própria vocação.

Aprenda a rezar o terço a São José

Nas contas grandes:

Meu glorioso São José, nas vossas maiores aflições e tribulações, não vos valeu o anjo do Senhor? Valei-me, São José!

Nas contas pequenas:

Valei-me, São José.

No fim, reze este oferecimento:

“A vós, glorioso São José, ofereço este terço em louvor e glória de Jesus e Maria, para que seja minha luz e guia, minha proteção e defesa, minha fortaleza e alegria em todos os meus trabalhos e tribulações, principalmente na hora da agonia.

Pelo nome de Jesus, pela glória de Maria, imploro o vosso poderoso patrocínio, para que me alcanceis a graça que tanto desejo. Falai em meu favor, advogai a minha causa no céu e na terra, alegrai a minha alma para honra de Jesus, de Maria e vossa. Amém.”

Lectio Divina em família

A Lectio Divina é uma leitura orante da Bíblia Sagrada. Essa prática espiritual surgiu no século XII, mas tem ganhado cada vez mais força entre os católicos de hoje.

A Lectio Divina é como um alimento espiritual capaz de produzir muitos frutos na vida da família que se une na oração. A sua prática é composta de 4 passos:  Lectio (leitura) da Bíblia, Meditativo (Meditação), Oratio (Oração) e Contemplatio (Contemplação).

A prática da Lectio Divina em família nos ajuda a viver a Palavra de Deus e a vermos Seus frutos sendo produzidos em nós. Frutos como bondade, paz, caridade, a prática da misericórdia e muitas outras graças que o Senhor deseja conceder a cada membro da família.

Novena de Natal

Natal cristão não é Natal sem uma Novena. Essa prática devocional é muito recomendada para alimentar nossa fé e espiritualidade.

Por isso, aproveite o tempo do Advento para rezar com a sua família uma Novena de Natal. Isso ajuda os membros da família a vivenciarem o real significado do período do Advento: a expectativa pelo nascimento do Deus Menino nosso Salvador.

Caso você não tenha em casa um livreto com a Novena de Natal, sugerimos que você faça uma busca na internet.

Missa em família

O Catecismo da Igreja nos ensina que o primeiro e o mais importante mandamento da Igreja é participar da Santa Missa: “No domingo e nos outros dias festivos de preceito, os fiéis têm obrigação de participar na Missa” (CIC 2180).

Participar da Santa Missa em família é como que a coroação do que os membros vivem no seu lar.

Na Missa pai, mãe, filhos, avós têm a oportunidade de reforçar a união da sua família com o Senhor, fortalecer a fé e a esperança de cada membro.  

“A participação na celebração comum da Eucaristia dominical é um testemunho de pertença e fidelidade a Cristo e à sua Igreja” (CIC  2182).

São João Paulo II disse que a família é insubstituível e que ela é o patrimônio da humanidade.

Procuremos, portanto, fazer do nosso lar uma verdadeira “Igreja Doméstica”, Santuário onde habita Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *